Site da Biblioteca de Arte
 Entrada 
 Catálogo Geral 
 Col. especiais 
 Col. digitalizadas 
 O meu registo 
Partilhar
Bem-vindoAquisições recentesPeriodicos de arte correntesRSSAcesso e Horário
Pesquisar por:    Redefinir pesquisa  
 
 
 
 
 
 
 
 Este(s) autor(es) no 'Google books'
 
  • Novais, Mário, 1899-1967
  •  
  • Soares, Mário, 1930-
  •  
  • Barata, Abílio, 19?
  •  
     Este(s) autor(es) no 'Google scholar'
     
  • Novais, Mário, 1899-1967
  •  
  • Soares, Mário, 1930-
  •  
  • Barata, Abílio, 19?
  •  
     
    Coleção Estúdio Mário Novais [ Material gráfico ] / Mário Novais ; colab. Mário Soares, Abílio Barata
     
    AUTOR(ES): 
    Novais, Mário, 1899-1967; Soares, Mário, 1930-, fotógr.; Barata, Abílio, 19?, fotógr.
    PRODUCAO: 
    [1925-1985]
    DESCR. FISICA: 
    80.309 espécies fotográficas : p&b, color. ; 13 x 18 cm, principalmente
    NOTAS: 
    . - Colecção constituída por negativos p&b em suporte vidro, acetato de celulose, poliester e pelicula de nitrato de celulose (9.879 nitratos e 3.612 negativos safety em mau estado, foram duplicados e armazenados no depósito de nitratos da Cinemateca Portuguesa - ANIM (processo 161AD/95), em Maio de 1995). Os negativos de grande formato 13x18 (ca. 56 000), a grande produção do Estúdio, 15x20 e 20x25 cm foram utilizados até à década de 60 e o vidro até aos anos 50. Existe um núcleo de cerca de 4560 negativos e diapositivos cor, formatos entre 35 mm e 13x18 cm; e 3704 provas p&b, formatos entre 6x6 e 24x30 cm, estas em depósito no Centro Português de Fotografia - CPF
    . - Mário João Novais oriundo da família lisboeta dos fotógrafos Novaes (Horácio Novais, Júlio Novais, António Novais e Eduardo Novais), detentores das casas comerciais (Photographia Bastos, Photographia Novaes, J. Novais & Pozal, A Photographia Contemporânea, Photographia Eduardo Novaes, Photographia Vasques e Estúdios Mário e Horácio Novais), iniciou a sua actividade profissional nos anos 20 na Photographia Vasques, ao Chiado, onde se tornou um retratista exímio e o principal fotógrafo desta casa, após ter trabalhado com o seu tio Eduardo na Photographia Bastos, na calçada do Duque no 19-25, desde 1911. Ainda nos anos 20 inicía o seu trabalho como fotógrafo independente, com laboratório próprio na travessa de São Pedro de Alcântara e na rua Nova do Loureiro. Em 1933 cria o seu próprio estúdio - Estúdio Novais - na Av. da Liberdade, no. 105, 1o esq. em Lisboa. Dá-se início a 50 anos de actividade do estúdio especializado na fotografia de obras de arte e arquitectura. Fotógrafo autor de exposições individuais, caso do Salão da Voga em 1928 (SNBA) e colectivas, ao lado dos artistas da época, que também fizeram parte da sua clientela. É neste contexto um dos artistas do I Salão dos Independentes em 1930 (SNBA) e da I EGAP em 1946 (SNBA), entre outras. Novais dedicou-se também ao retrato, à fotoreportagem (foi chefe dos serviços fotográficos da revista Ilustração, in Ilustração 1 Dez. 1928), à fotografia publicitária (ETP Estúdio Técnico de Publicidade, APA Agência de Publicidade Artística, Pompadour, Vacuum, Sibila Lívia, Nally e Benamor..), comercial (Casa Jalco, Casa Quintão, Sapataria e Chapelaria Lord, Loja das Meias...) e industrial Companhia Abel Pereira da Fonseca, Fábrica da Borracha Luso-Belga, Fábrica Santa Clara, Fábrica Oliva e Singer...). Fotógrafo de encomenda, registou manifestações culturais e artísticas em Portugal e no estrangeiro, integrado nas equipas de projectos de feiras e exposições nacionais e internacionais (Paris 1937, Nova Iorque e São Francisco 1939, Lisboa 1940, Lausanne 1959, Bruxelas 1958, FIL 1963, entre outras). Clientela diversificada desde instituições culturais, estatais e privadas ao sector comercial, industrial e particulares. Novais é autor de fotografia para publicações do regime. Com Alvão, J. Martins, Bobone, Horácio Novais, entre outros, participa no albúm fotográfico Portugal 1934, publicado pelo SPN em 1934, obra percursora na utilização da fotografia como instrumento de propaganda do Estado Novo e é um dos fotógrafos do plano das publicações realizado no âmbito das Comemorações dos Centenários, da responsabilidade do SPN e da Secção de Propaganda e Recepção das Comemorações Centenárias, de António Ferro, anunciado em Nota Oficiosa da Presidência do Conselho em 27 de Março de1938, do qual fazem as obras Paisagem e Monumentos de Portugal; Vida e Arte do Povo Português; Catálogo-Guia e a edição de luxo da exposição Os Primitivos Portugueses; Portugal 1940, denominado em 1940 como Álbum panorâmico da obra do estado novo; e o catálogo da Exposição do Mundo Português, editado em 1956, o Mundo Português: Imagens de uma exposição histórica, 1940. É ao mesmo tempo autor de fotografia para catálogos de exposições dos artistas da época. Fotógrafo de António Dacosta para o catálogo da exposição de Dacosta, António Pedro e Pamela Boden, em 1940, na Casa Repe ao Chiado, exposição de ruptura com os valores estéticos vigentes. Fotógrafo de arte é autor da fotografia para os livros dos historiadores de arte, ao lado dos quais trabalhou na criação das suas obras, como referência Mário Chicó, Reynaldo dos Santos, Luís Reis Santos, Robert Chester Smith, Santos Simões, George Kubler e José Augusto França, entre tantos outros. Novais é também o fotógrafo dos museus por excelência. Como é o caso da Fundação Calouste Gulbenkian, em que o Estúdio participa, desde o início da sua actividade, na inventariação fotográfica do seu acervo e na ilustração de publicações e catálogos de exposições "Calouste Gulbenkian chamava o fotógrafo e os seus colaboradores ao Hotel Aviz para fixarem as suas obras de arte...". A partir dos anos 40 teve a colaboração dos assistentes Abílio Barata (1945) e Mário Soares (1947). Com a morte de Mário Novais a 7 de Outubro de 1967 o Estúdio passa para a posse da viúva Maria Ignacia da Saude Fernandes Novaes, que o cede com todo o seu espólio aos dois colaboradores Abílio Barata e Mário Soares. A actividade prossegue durante mais 15 anos e até 18 de Junho de 1982, data da acão de despejo do senhorio, por morte da viúva. Como solução para a preservação da coleção fotográfica do Estúdio Abílio Barata e Mário Soares decidem a sua venda
    OBRA(S) RELACIONADA(S): 
    Mário Novais : exposição do mundo português, 1940 / textos Pedro Tamen... [et al.] . - Lisboa : Fundação Calouste Gulbenkian. Arquivo de Arte do Serviço de Belas Artes, 1998
    PROVENIENCIA: 
    O espólio fotográfico do Estúdio Mário Novais foi adquirido a 10 de Março de 1986 (in Escritura de Compra e Venda do Arquivo fotográfico do Estúdio Mário Novais. Arquivo da FCG. SBA.5107) pelo Serviço de Belas Artes da Fundação Calouste Gulbenkian e integrado no acervo do Arquivo de Arte - Centro de Documentação e Pesquisa. Em Outubro de 2001 passou a fazer parte da colecção da Biblioteca de Arte
    ASSUNTOS: 
    Arte -- Portugal -- Séc. 20 -- [Fotografias]
    Retratos -- [Fotografias]
    Fotoreportagem -- Portugal -- Séc.20 -- [Fotografias]
    Arquitectura -- [Fotografias]
    Pintura -- [Fotografias]
    Escultura -- [Fotografias]
    Esposições -- Portugal -- Séc.20 -- [Fotografias]
    Esposições internacionais -- Séc.20 -- [Fotografias]
    Lisboa (Portugal) -- [Fotografias]
    CDU: 
    7(469)"19"(084.12)
    77.041.5(469)"19"(084.12)
    72(084.12)
    75(084.12)
    730(084.12)
    061.4(084.12)
    COTA(S): 
    CFT003
    COPIA DIGITAL: 
    Ver registos que contêm as cópias digitais.
    TERMOS E CONDICOES: 
    Termos e condições de utilização das cópias digitais.
    Adic. à lista
    Guardar referência  Ver formato UNIMARC  Exportar registo em ISO2709  Exportar registo em MarcXchange
    Exemplares
    LocalCotaVol.Tipo AcessoEstadoNotas 
    Biblioteca de ArteCFT0030Reservados nível 1DisponívelAcessível em rede. Consultável no Espaço Multimédia.

    Assunto: 
    Email:

    Fundação Calouste Gulbekian 
    Informações e esclarecimentos
    contacte artlib@gulbenkian.pt
    FCG - Biblioteca de Arte